Greve Geral de 28/04/2017

Sindicatos de diversas categorias convocam uma paralisação geral de trabalhadores, nesta sexta-feira (28), como forma de manifestação contra as reformas trabalhistas e da Previdência, que devem ser votadas nas próximas semanas. Entre as classes que confirmaram adesão ao movimento estão os bancários da cidade do Rio e também de Niterói, na Região Metropolitana, os petroleiros da capital e do Norte Fluminense, os agentes das Polícias Federal e Rodoviária, além dos professores das escolas públicas e particulares e médicos, que devem se organizar internamente de acordo com cada unidade de saúde. Motoristas e cobradores de ônibus da cidade também anunciaram que vão parar, assim como os profissionais do porto e do metrô. Todas as paralisações foram confirmadas pelos sindicatos de cada categoria. O ato principal está marcado para às 16h, com concentração na Igreja da Candelária, no Centro do Rio. O Metrô Rio, a Supervia e a CCR Barcas informaram que vão operar normalmente. Se houver aumento de passageiros, as concessionárias estão preparadas para reforçar o contingente.

Posicionamentos completos

SINDESNAV –  Sindicato dos trabalhadores em escritórios de empresas de navegação: Indicativo é de apoio total à greve.

CCR Barcas – Apesar da confirmação do Sindicato, a operação será normal. Se houver aumento de passageiros, a concessionária está preparada para reforçar o contingente.

SIMERJ – Sindicato dos Metroviários  do Estado do RJ: Neste dia 28 de abril estaremos junto a milhões de trabalhadores na greve geral. A Fenametro atendeu ao chamado das Centrais Sindicais e convoca a todos para participar.

Metrô Rio: Mesmo com o anúncio do sindicato dos metroviários, mantém a posição de que a operação será normal, com reforço apenas em caso de necessidade.

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias do Rio de Janeiro: Diretor jurídico do sindicato confirmou que a adesão será parcial e que cerca de 30% dos profissionais devem participar do movimento. 

Supervia: O funcionamento dos trens será normal e a SuperVia vai monitorar a demanda de passageiros para reforçar a operação se for necessário.

Sindicato dos Médicos: Deliberou pelo apoio incondicional ao movimento nacional de paralisação. O Sindicato recomenda aos médicos que discutam em seus locais de trabalho, tanto nos serviços públicos como na rede particular, as formas de organização para expressarem com veemência, no dia 28 de abril, seu apoio à luta da população brasileira pelos direitos sociais e a democracia.

Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro – Sintraturb: Em assembleia, decidiu aderir à greve geral. Ato está marcado para às 8h30, em frente à Prefeitura.

TransÔnibus – Sindicato que representa os rodoviários de Nova Iguaçu, São João de Meriti, Nilópolis, Belford Roxo e Mesquita: Por enquanto não há movimentação para greve da categoria.

SMTR: A Secretaria Municipal de Transportes esclarece que tem contrato firmado com os quatro consórcios de ônibus que operam na cidade e cada um deles tem a obrigação contratual de manter o serviço operando de forma contínua e adequada para a população. Os consórcios possuem uma frota extra para colocar em circulação, para que os usuários não sejam prejudicados, em casos como estes.

Lista de outras paralisações confirmadas:

Professores do Município do Rio

Professores do Estado

Bancários do Município do Rio

Bancários de Niterói

Policia Federal

Policia Rodoviária Federal

Petroleiros

Portuários

Sindicato dos Servidores de Ciência, Tecnologia, Produção e Inovação em Saúde Pública (Asfoc-SN) – servidores da Fiocruz

Trabalhadores da Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Sindsprev-RJ)

Trabalhadores dos Correios (Sintect-RJ)

Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias da Construção Pesada (SITRAICP)

Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no Estado do Rio (SISEJUFE)