Forças Armadas já tem trabalho nessa manhã de quarta-feira

Em menos de três horas, outra tentativa de assalto volta a causar pânico na Região Portuária do Rio

Perícia após morte na região dá nó no trânsito e bandidos aproveitam para tentar roubar novamente motoristas que passavam pela região. Cerca de 30 fuzileiros navais estavam no local.

Novas tentativas de assalto voltaram a assustar quem passava pela Região Portuária do Rio, por volta das 11h desta quarta-feira (15). Agentes das Forças Armadas que atuam no reforço da segurança no estado chegaram a ficar em posição de combate e com armas apontadas para um suspeito.
Às 9h, o roubo de uma moto terminou com a morte de um suspeito. Enquanto a perícia do local era realizada, cerca de três horas depois, criminosos aproveitaram o trânsito parado para tentar roubar motoristas e até pedestres, a cerca de 100 metros do cerco realizado por mais de 30 fuzileiros navais. Pouco depois, um homem que passava no local foi revistado por militares. A Polícia Militar chegou a enviar uma viatura para fazer buscas do suspeito na região. De acordo com um agente, o local representa riscos diários para pedestres e motoristas. “É sempre assim”, afirmou.
Por volta das 12h, o congestionamento na Avenida Brasil chegava até a altura de Ramos. A via foi liberada neste mesmo horário, após a realização da perícia.

Roubo da moto e tiroteio
Assaltantes tentaram roubar uma moto, e o alarme disparou. Eles, então, roubaram outra moto e fugiram pela Avenida Brasil. Na altura do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), os criminosos se depararam com um caminhão da Marinha e atiraram contra os militares. Os fuzileiros revidaram e um suspeito foi morto. O outro fugiu.
O advogado Geraldo Freire relata que teve a moto roubada e, na fuga, um dos suspeitos foi baleado. “Eu reduzi para fazer a curva, ele veio correndo e, na minha ingenuidade, achei que ele ia pedir alguma informação. Ele estava a pé, mas tinham uns 3 ou 4 dando cobertura”, disse a vítima.
De acordo com uma testemunha que passava pelo local em um ônibus e que preferiu não se identificar, o tiroteio aconteceu entre o Into e a Rodoviária Novo Rio. “Tinha vários carros das Forças Armadas e soldados da rua e começou uma sequência de tiros. Quando cessou, vimos que tinha uma pessoa caída no chão”, explicou a testemunha.
Ela contou que os passageiros viveram momentos de pânico durante a troca de tiros. “As pessoas se jogaram no chão e, quando o motorista falou que mataram um homem, nós nos levantamos e foi um desespero total”, disse a testemunha.
Em nota, o Ministério da Defesa informou um Inquérito Policial Militar (IPM) será instaurado para apurar as circunstâncias do evento.

Militares no RJ
Nove mil homens do Exército e da Marinha já estão nas ruas para ajudar na segurança do Rio, Niterói e São Gonçalo. A vinda das Forças Armadas ao estado foi um pedido do governador Luiz Fernando Pezão ao presidente Michel Temer.
Inicialmente, eles ficam até a próxima quarta-feira (22), mas esse prazo pode ser estendido para depois do carnaval. Na tarde de terça-feira (14), era possível ver homens do Exército patrulhando a TransOlímpica.
O exército vai atuar na TransOlímpica do Recreio até Deodoro, na Avenida Brasil, Niterói e São Gonçalo. Já os fuzileiros navais vão patrulhar o Caju, Cais do Porto, aeroporto Santos Dumont, Marina da Glória, Aterro do Flamengo, Copacabana, Lagoa, Leblon e Ipanema.
Em todos esses locais, as Forças Armadas vão substituir os PMs e vão ter poder de polícia, inclusive, revistando passageiros nos ônibus na operação nas praias no verão. Não terá patrulhamento das Forças Armadas em comunidades nem na Baixada Fluminense.

Fonte: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/em-menos-de-tres-horas-outra-tentativa-de-assalto-volta-a-causar-panico-na-regiao-portuaria-do-rio.ghtml
(Foto: Ricardo Abreu / GloboNews)